Rumo ao Sul: Dia 1 (São Paulo-SP a Bombinhas-SC)

O primeiro trecho de viagem é bastante tranqüilo. A primeira decisão relevante a se tomar é vencer a Serra do Cafezal enfrentando-a de frente, pela Rod. Régis Bittencourt (trecho da BR-116 entre São Paulo e a divisa entre o Paraná e Santa Catarina) ou margear a serra via litoral, utilizando o Sistema Anchieta-Imigrantes. A primeira opção sempre foi conhecida como a mais econômica, porém hoje em dia a realidade começou a mudar. Privatizada em 2008, esse trecho da BR116 está sob responsabilidade de uma concessionária que já tratou de espalhar seis praças de pedágio no trajeto. Ao valor de R$ 1,50 para cada carro de passeio, os pedágios entraram em operação em dezembro daquele ano e já são seis: São Lourenço da Serra (km 299), Miracatu (km 370), Registro (km 427), Cajati (km 485), Barra do Turvo (Km 542) e Campina Grande do Sul (km 57, no Paraná), perfazendo o total de R$9,00. Não é tão caro, mas devido a péssima qualidade do asfalto, a grande quantidade de caminhões, a imensa falta de segurança em boa parte do trajeto e as péssimas condições da estrada, sobretudo na Serra do Cafezal (entre os Kms 228 a 253) essa opção não é uma boa. Preferia seguir pelo litoral, utilizando a Rodovia dos Imigrantes (leia aqui sobre o Sistema Anchieta Imigrantes).

Minha dica nesse sistema é optar pela Rodovia dos Imigrantes, utilizando-se a nova Pista Sul.  São 23,23 quilômetros em declive, com nove viadutos, três túneis (um deles é o maior do Brasil, com 3km de comprimento). Na estrada foram utilizados nove estádios do Morumbi em concreto e quatro torres Eiffel em aço. Uma belíssima obra de engenharia, que gerou controvérsias durante a construção, porém foi terminada e está lá para ser usada sem dó pelo motorista. Para tanto, entretanto, desembolsa-se incríveis R$17,80.  E pode ficar mais caro, caso o incauto viajante desrespeite a sinalização e seja pego por radares, distribuídos a cada 3,5km para fiscalizar quem ultrapassa 80km/h. O trajeto todo entre São Paulo e a Baixada tem 70 quilômetros e leva cerca de uma hora (em feriados pode chegar a três horas). Consulte o site da concessionária antes de viajar para informar-se sobre alterações no fluxo.

De lá, é só seguir as placas de Itanhaém/Mongaguá para cair na SP-55 , trecho conhecido como Rod. Padre Manoel da Nóbrega, que liga Cubatão (km. 270) a Miracatú (Km. 389). Nesse trecho só há cobrança de pedágio na volta, porém a quantidade de radares aumenta e todos eles são móveis, bem escondidos e prontos para fragrar os motoristas que ultrapassam os 80km/h. A estrada está em ótimas condições em 80% de sua extensão, entretanto, devido a escassez de pontes, viadutos e passarelas, os pedestres atravessam a pista a qualquer momento, motivo pelo qual a velocidade é tão reduzida e controlada.

A quilometragem de quem opta por seguir pelo litoral é maior, mas a viagem é uma das mais tranqüilas, bem sinalizadas e seguras do país. A partir daí, de Miracatu a Curitiba segue-se pelo melhor trecho da Rod. Régis Bittencourt, por cerca de 300km, totalizando 408km de viagem. Há poucos postos de combustível nesse trecho, então procure abastecer quando estiver a meio tanque, preferencialmente nos arredores de Cajati. O mesmo ocorre nos 130km restantes até Joinvile, a partir de onde a oferta de postos aumenta e torna-se regular. Atenção: há um rodoanel em Curitiba, onde deve-se tomar a direção da BR-378, rodovia que nasce em Dourados-MS, corta toda a região e leva até  Garuva, já em Santa Catarina. No caminho,  a única cidade com boa estrutura é São José dos Pinhais.

O acesso a Bombinhas é pela BR-101, no viaduto para Porto Belo, trecho em obras de duplicação. Da estrada ao centro de Porto Belo a estrada é de lajotas e exige um pouco de atenção, porém no trecho Porto Belo-Bombas o asfalto é bem cuidado.  Total da viagem: 670km.

A obra exigiu investimentos de US$ 300 milhões para enfrentar os desafios da natureza nos seus 21km de extensão. Dentre os destaques da obra estão dois dos maiores túneis rodoviários do país, com mais de 3km de extensão.
Share

Deixe uma resposta