Mochileiro gonzo

No começo da segunda metade da década de 60, em pleno auge das novas liberdades editoriais de que gozava o New Journalism na imprensa norte-americana, surge uma interpretação extremada dos seus princípios sob a forma de um jornalista free-lancer do Kentucky, chamado Hunter S. Thompson. Criador e principal representante de uma modalidade de jornalismo literário denominada Gonzo Journalism, Thompson propôs a transposição da barreira essencial que separa o jornalismo da ficção: o compromisso com a verdade. Também chamado de jornalismo fora-da-lei, jornalismo alternativo e cubismo literário, o gênero inventado por Thompson tem sua força baseada na desobediência de padrões e no desrespeito de normas estabelecidas, além da insistência em quatro grandes temas: sexo, drogas, esporte e política. (Rodrigo Alvares, daqui)

Pois é. Ninguém, reforço, ninguém é mais gonzo no Brasil que Arthur Veríssimo. Jornalista, apresentador de tv, autor de livros e dvds, mochileiro profissional e louco, um apaixonado pela vida e pela narração da vida. Vida real, relatada visceralmente. Recomendo uma passadinha no seu blog no site da já mítica e sobrevivente Revista Trip, que apesar de ter poucos e curtos posts, dá uma idéia da linha hipnótica que o cara segue na revista.

Tem posts lá que têm a graça de arrancar o verniz da tua vida. Meus preferidos: ativismo de verdade em Direto do front, filosofia de vida no Kaialash em Na Montanha Sagrada e  uma inusitada partida de futebol com chollas na Bolívia em Que Bonito É.

E já que você vai lá, aproveite e confira uma entrevista muito bacana com Thomas Kohnstamm, outro gonzo consagrado que conta como é a vida (pessoal e profissional) de um escritor de guias de viagem. Coisa rápida, mas vai desconstruir a imagem mental que muita gente criou da profissão…

Share

Deixe uma resposta