Guia Mão de Vaca : Campos do Jordão – SP

Atualizado em 28/04/2017

Não, não é impossível. Campos também existe para quem não vai de Harley Davidson!

Para o mochileiro que prefere belezas naturais aos shopping centers, sempre haverá espaço para curtir o que as cidades da Mantiqueira nos reservam de melhor: cenários maravilhosos de muito verde e caminhadas agradáveis em meio a fauna e flora exuberantes. Campos é muito mais que badalação, refeições de três dígitos e carros importados.

De bom e barato, Campos do Jordão se destaca na paisagem. A primeira coisa a fazer é parar no Portal de Entrada da cidade e pegar o guia atual. É muito melhor que ficar procurando mapas na internet, gastando papel para imprimir roteiros ou fazer anotações que você vai perder. Todo ano um novo guia é editado, às vésperas do festival de inverno, de forma que você sempre terá informações atualizadas e um bom mapa em mãos, com dicas de restaurantes recém-inaugurados e informações atualizadas dos passeios. 

Continue lendo “Guia Mão de Vaca : Campos do Jordão – SP”

Share

Feriado em São Miguel Arcanjo : Show de Mata Atlântica no Parque Estadual Carlos Botelho

são miguel arcanjo, parque estadual carlos botelho, cachoeiras, trilhas, roadtrip, vinhos artesanais

Seguindo na busca por lugares eco-interessantes no sudeste brasileiro ainda não descobertos pelas grandes multidões, compartilho com vocês mais um achado, dessa vez em terras paulistas:  São Miguel Arcanjo!

E bota “eco” nisso! Dos cerca de 1.200 muriquis existentes no Brasil hoje, mais de  800 estão no Parque Estadual Carlos Botelho, um dos mais ricos em vida selvagem do Estado de São Paulo, bem ali no coração de São Miguel. Juntam-se a eles mais de 200 espécies de aves em 37 mil hectares de matas primárias e secundárias em franca regeneração. Paraíso.

Criado em 1981 a partir da unificação de quatro unidades de conservação (Carlos Botelho, Capão Bonito, Travessão e Sete Barras) o parque é a atração mais bacana de São Miguel e hoje é reconhecido oficialmente pela UNESCO como Sítio do Patrimônio Mundial Natural.

E Como todo bom parque estadual, o Carlos Botelho tem uma área bastante extensa, destinada à proteção de seu ecossistema, cuja finalidade é resguardar seus atributos naturais, conciliando a proteção integral da flora, da fauna e das belezas naturais com a utilização para objetivos científicos, educacionais e recreativos. E não é só: o Parque da Onça Parda e a Parque do Zizo são duas RPPNs vizinhas que valem a visita.

São Miguel sempre teve por principal atividade o setor agrícola, especialmente o cultivo de uvas e laranjas, tendo sido referência também na produção de algodão e carvão num passado não tão distante. Parte significativa do Carlos Botelho abrange, inclusive, uma extensa área que abrigava uma carvoaria, podendo ser avistados antigos fornos do início do século passado em algumas  de suas trilhas. Apesar de hoje ostentar o título de “capital da uva itália”, a vocação da cidade vem mudando rapidamente em direção ao ecoturismo. E é isso que fomos conferir!

parque estadual carlos botelho

Visitamos a região no feriado no último feriado da independência (2012) e curtimos demais tudo que conhecemos, a começar pelo povo, muito hospitaleiro e educado. O proprietário da pousada onde ficarmos, Seu Claudinei, muito simpático e atencioso, fez questão de verificar os restaurantes abertos para facilitar nossas refeições e deu todas as dicas para circular na região sem perder muito tempo.

Sua pousada, Villa da Mata, certamente é a melhor escolha da cidade. Possui 12 quartos simples, mas bastante confortáveis, todos equipados com televisores 20″, ventiladores de teto, roupas de cama e móveis novos. Destaque para o chuveiro a gás, excelente, além de um série de medidas ecológicas de economia de água e energia elétrica sem abrir mão do conforto para o hóspede. As diárias custam em média R$100,00 o casal, incluindo um café da manhã honesto e internet wi-fi de boa qualidade. Há ainda um bar que funciona todos os dias no período noturno e uma agradável sala de estar com lareira. Recomendo!

Chegar lá é fácil. Para quem vem de Sampa, basta pegar a Rodovia Castelo Branco até o Km 77 e sair em Sorocaba na direção da SP-75 (vulgo “Castelinho”). Dali, basta seguir placas de Votorantim/Salto de Pirapora/São Miguel Arcanjo, o que te levará a Rodovia Raposo Tavares (SP-270), que você seguirá até a  saída 102-B (placa de Salto de Pirapora). Dali roda-se pelos 70km mais charmosos e tranquilos da viagem até o trevo da cidade. São pouco mais de 2h (+-200km) no total, o que permite visitas tranquilas de fim de semana e até um bate-e-volta, dependendo da disposição.

A cidade carece, entretanto, de opções gastronômicas. Na sexta-feira, feriado, cansados da estrada e bastante esfomeados depois da visita ao parque, não encontramos nem um único restaurante aberto. O jeito foi saciar a fome na padaria Ja-pão (trocadilho espirituoso, já que o local tem decoração de inspiração nipônica) com um bom X-Egg e alguns refrigerantes. No dia seguinte, entretanto, fomos agraciados com a deliciosa comida caseira do restaurante Vem-Ká, localizado no centro da cidade. Lá a comida é vendida a quilo, bem baratinha e com “aquele” tempero caseiro. Vale a pena!

E vamos ao principal: o parque!

Continue lendo “Feriado em São Miguel Arcanjo : Show de Mata Atlântica no Parque Estadual Carlos Botelho”

Share

São Francisco Xavier: cultura e lazer de montanha

Um dos cantos mais bacanas do Sudeste é justamente aqui, nas montanhas da Serra da Mantiqueira entre Minas e Sampa, onde poucos quilômetros separam Gonçalves, Campos do Jordão, Monte Verde, Joanópolis, Extrema, Santo Antônio do Pinhal e outras tantas cidadezinhas charmosas, aconchegantes e ricas em fauna e flora silvestre.

São Chico não é diferente. Como quase todas as vizinhas, foi passagem e pouso de tropeiros que vinham de Minas Gerais comercializar nas regiões mais povoadas do Vale do Paraíba, em especial São José dos Campos e Jacareí. Criado em 1892, o distrito de 322 km² viveu boa parte de sua história exclusivamente da agropecuária, mas desde 1992 sua vocação ecoturística cresceu, especialmente por conta de uma lei municipal que transformou mais da metade da cidade em área de preservação ambiental, impondo severas restrições ao desmatamento e a novas construções. São Chico hoje também é uma APA Estadual pela Lei n° 11.262 de 08/11/2002 e é a área verde mais significativa do Município de São José dos Campos.

Continue lendo “São Francisco Xavier: cultura e lazer de montanha”

Share

Lugares bacanas em São Paulo (5) Pizzaria Prestissimo

Antes do prato principal, cabe um esclarecimento. Quando iniciei essa série sobre lugares bacanas em Sampa City, “pizza” foi o primeiro tema que me veio a mente. Isso porque para mim a pizza foi, é e vai continuar sendo por toda a eternidade o maior atrativo da capital paulista! Por que até agora não veio o texto? Porque simplesmente não consigo encaixar num Top5 – como o dos hamburgueres – os meus restaurantes preferidos, muito menos eleger o meu xodó como fiz com as padarias aqui. Então lá vai um aviso: A Prestissimo não é a minha pizzaria preferida, mas como demorei demais para falar sobre o assunto, vai esse aqui sobre ela mesmo porque ainda estou com a minha Santo Antonio no estômago (e na cabeça). Vamos ao crime.

Fachada via site oficial

Continue lendo “Lugares bacanas em São Paulo (5) Pizzaria Prestissimo”

Share

Lugares bacanas em São Paulo (4) TEMPLO ZULAI

Templo Zulai

O Templo Zu Lai é um belíssimo mosteiro budista com sede na cidade de Cotia-SP, distante a apenas 37km da capital paulista. Cada visita ao local é única, especialmente se você der sorte e pegar uma evento como a Festa do Ano Novo Chinês ou um Retiro de Meditação. Ok, no meu caso eu planejei mesmo ir durante a celebração, mas garanto que com ou sem festa a visita vale a pena. Muito!

Continue lendo “Lugares bacanas em São Paulo (4) TEMPLO ZULAI”

Share

Lugares Bacanas em São Paulo (3) Top5 Melhores Hamburguerias Paulistanas

Hamburguer. Uow. Post polêmico.

tasty

Apresento, meus amigos, meu Top5 Melhores Hamburguerias Paulistanas. Levei em conta o sabor dos lanches, seu tamanho, o custo-benefício (existe isso mesmo?), localização e claro… meu gosto pessoal. Nada contra Hitz, TGI Friday´s, Milk&Mellow,  America, General Prime, Outback (ah, aquelas onion rings…), Rockets, St Louis e tantos outros, mas é fato que a gente sempre tem uma quedinha especial por lugares que nos fazem sentir bem e que fazem bem pro nosso bolso. Então, bora lá:

5. Frevo

Sim, sim, sim, nada de engolidores de notas de cem reais! O Frevinho te dá mais por menos e pode ser até uma opção corriqueira, caso você seja habitué da região. A filial da Rua Augusta é tão charmosa quanto a matriz da Oscar Freire, porém com o atrativo de estar mais bem localizada (do lado de cinemas, livrarias, cafés, bares e baladas) e ser bem menos badalada. A marca é tradicional – remonta a 1956 – e mantém o estilinho retrô-aconchegante e rústico da época. Pense num lugar onde as fritas são sequinhas, custam sete mangos e parecem feitas em casa. Pense num lugar em que a porção de maionese custa duas pilas, tem um tempero único e vem muito bem servida. Pense num cheeseburguer com maionese que custa uma nota de dez mas vem com um dos melhores pães da cidade, tem carne com sabor de carne, tempero marcante e queijo caindo pelos lados. Pense num cheeseburguer com as cebolas fritas mais saborosas, mais cebolas e mais fritas de todos os tempos. Pense em garçons com cara de que vão se aposentar ali, de sorriso no rosto e com aquele estilo de netinho-senta-aqui-que-vou-te-contar-uma-história. O Frevo é bom, barato, simpático, tranquilo e delicioso. Site oficial aqui.

4. Lanchonete da Cidade

São Paulo já tem três, mas a única, original e verdadeiramente boa é a unidade dos Jardins que fica na Alameda Tietê. Receitas originais, ingredientes de primeiríssima qualidade, jeitão dos anos 60 (meio modernista, meio brega) e um lanche ícone: chamado de Bombom, o sanduba é um petardo de 220 gramas de carne coberto com molho de tomate fresco digno de cantina italiana, servido num pão francês todo estiloso que só tem lá. Você pode escolher o complemento que quiser para o lanche, mas não pode esquecer da famosa batata rústica (batata binge cozida inteira, na casca, com sal e alecrim, frita na óleo e servida com dentes de alho cozidos em azeite). É um troço, assim, indescritível. Pena que para acompanhar você não vai poder pedir aqueeeela Coca, pois é mais um daqueles lugares que “só tem Pepsi, senhor”. Não importa, vale experimentar o muito bem tirado chopp Brahma e as opções exclusivas dos caras, especialmente o Tropicália (lanche padrão, coberto com generosas fatias de linguiça picante chapeada, molho de tomate acebolado, queijo fundido e maionese), o Moóca (hamburguer à milanesa, com mussa de búfala, rúcula, tomate, beringela, abobrinha grelhada e manjericão) ou o famoso Amarelinho (um zoiudo frito na manteiga aviação, queijo artesanal, tomate caqui apimentado e orégano). ?

3. Chico-Hamburguer

Esse aqui é um caso sério. Tradicionalíssimo, datado de 1963 (que época pra baixa gastronomia paulistana, hein?) porém completamente reformulado, visual e gastronomicamente falando. Gerou muita polêmica quando o reformou o ambiente e o cardápio, modernizando a decoração e fazendo uma limpa nas opções de lanches, restando hoje apenas três dos originais. O caso é que não tem mais cara de lanchonete clássica, mas em contra-partida tem atendimento eficientíssimo: dificilmente se espera mais que dez minutos pelo lanche, mesmo num sábado à noite. Preço justo, ótimas e bem servidas fritas ($10), excelentes onion rings ($13),  maionese de ervas ou hortelã (extra por R$4) e a melhor parte: os caras tem um jeito único de fazer hamburguer, que o torna mais suculento e tasty que a maioria. Um senhor concorrente para os figurões que custam o dobro por aí, especialmente o cheese-picanha ($15!) que dá salada, cebola frita, mussa e maionese, com opção extra do catupiry mais cremoso de que você já ouviu falar. Ah sim, fica ali na Av. Ibirapuera, bem fácil de achar, e de estacionar – basta deixar o carro nas ruas residenciais que ficam bem atrás. Opção boa, barata e bacana. Verifique.

2. Joakins

Esse não vai te decepcionar. Ao contrário dos demais, é sempre Top5 em qualquer lista por aí e não é à toa: localizado no coração do Itaim Bibi desde 1966 (que década foi essa!), lotado a qualquer hora do dia e da noite, estacionamento com manobrista cortesia, ambiente bem decorado e funcionários atenciosos, rápidos e eficientes. Tá, mas e o hamburguer? Carne gostosa, muito bem servido, temperadíssimo e com diversas opções de acompanhamentos, que vão de cebola (crua, frita ou ambas) a creme de milho. Bom cheddar, catupiry ok, ótimo bacon e um senhor milk-shake. Aliás, o milk-shake: há quem diga que o do Milk&Mellow é melhor, mas a escolha é certamente difícil (também pudera, custa 20 mangos e se você pedir pra dividir em dois copos os caras cobram 10% a mais!). O chopp é tão bem tirado quanto na Lanchonete da Cidade, os refrigerantes e sobremesas têm preços um pouco mais acessíveis que os dos lanches, mas elas são bem simples (exceção feita ao petit gateau, muito bom) e os refris nem sempre vem ao gosto do freguês (pede com limão, vem sem; pede sem gelo, vem com um monte). Vale a pena? Cada centavo. Detalhe: se você sempre ouviu seus amigos dizerem que a maionese de lá é imbatível, é porque eles não conhecem a do primeiro colocado do ranking. Chegue cedo (lotaaaado) e divirta-se.

1. A Chapa

Para simplificar, basta dizer que lá está a melhor maionese do mundo. Sim, a melhor maionese do mundo. A mesma receita desde 1967 (hauuhauhauha, parece brincadeira) e até hoje ninguém conseguiu repetir o feito dos caras. Não é só, o ambiente da filial que eu frequento (Al. Santos) é o mesmo desde 1998: clean, limpo, com televisões sempre ligadas nos jogos de futebol locais e ótimo atendimento. Os lanches são muito saborosos, feitos com cortes especiais da Wessel Culinária & Carnes (conheça o cara aqui) e hambúrgueres especiais de 200g, com 50% menos gordura que os comuns, mas tão saborosos quanto. Lá você também encontra pratos rápidos, sanduíches no pão Ciabata, ração veggie,  lanches à base de frango requintadíssimos e um tal de Danger Max Dog, que é um dogão mexicano com bacon e maionese absolutamente incomparável. Batatas country wedges,  onion straws (em vez de rings, as cebolas são servidas em palitos crocantes, com tempero picante), café Suplicy no ponto certo, Mostarda French’s e catchup Heinz a vontade, além da possibilidade de parar na rua, em frente, sem precisar gastar com estacionamento ou preocupar-se com manobristas. Com média de preço situada entre o Joakins e o Chico Hamburguer, esta é a sempre a minha primeira escolha em terras bandeirantes.  Saiba mais no site dos caras.

Share