Reveillon Mineiro, Dia 06: Santuário e Parque Natural do Caraça

estrada, santa barbara, catas altas, caraca, restaurantes, trilhas, cachoeiras, museus, dicas, reveillon, fogos, lobo guará.

sIMG_4917

A Serra do Caraça é uma das mais bonitas e imponentes de Minas Gerais e só o seu visual já é motivo suficiente para visitar o Santuário.

Que acha então de poder caminhar em trilhas, visitar cachoeiras, conhecer cavernas, ver ao vivo um animal fascinante como o lobo guará, conhecer um prédio histórico que já foi cenário de livro, dormir em quartos simples e isolados do mundo, sem acesso a celulares, internet ou televisão e de quebra comer uma boa comida caseira? Foi exatamente isso que fomos conferir, apesar de termos apenas um único dia disponível.

O bate-e-volta de Ouro Preto não só é possível, como altamente recomendável. São apenas 76km de distância, percorridos em cerca de duas horas e de cara só a vista que se tem da estrada já compensa a jornada. Primeiro, pelo visual estonteante dos contrafortes ao longe, à esquerda da rodovia. Segundo, pela desolação da paisagem logo que se deixa Mariana para trás: o cenário devastado das minas – Alegria, Timbopeba, A quente e Fazendão – da Vale é impressionante! Nesse trecho, especialmente, vale muita atenção com os caminhões pesados.

A Reserva Particular do Patrimônio Natural – Santuário do Caraça fica entre as cidades de sIMG_4904Catas Altas e Santa Bárbara, ao sul do paredão da Serra do Espinhaço, no chamado Quadrilátero Ferrífero e faz parte do circuito da Estrada RealO único acesso à RPPN é feito por Santa Bárbara, percorrendo-se os 09 Km da Rodovia do Caraça. No caminho há placas para os distritos de Brumal, Sumidouro e Santana do Morro, que numa viagem mais longa também merecem uma exploradinha. Já dentro do Santuário, da Portaria até a sede são mais 11 km de estrada asfaltada. Não tivemos qualquer problema no caminho e de quebra ainda pegamos uma manhã espetacular, de céu azul e sol intenso. 

Como o Santuário abre às 08:00, para aproveitar bem o dia o ideal é sair de Ouro Preto por volta de 6h, mas devido ao cansaço da viagem acabamos nos atrasando um pouco e chegamos ao Santuário apenas às das 10h45. De cara, nossa impressão foi a melhor possível: sIMG_4897fundado em 1774 como pouso de peregrinos cristãos, o local que já foi colégio de seminaristas e escola de ensino médio, tem uma atmosfera mágica, daquelas de ter parado no tempo. Pleno de cultura, há referências sobre sua curiosa história em todos os corredores do local onde hoje funciona a pousada, no museu, na bela Igreja, nas catacumbas onde estão enterradas figuras ilustres de sua história (foto ao lado) e até mesmo entre as árvores do morro em frente à sede, onde há uma representação da via crucis. Sua importância é indiscutível: Caraça recebeu a visita dos dois Imperadores, formou estadistas de renome e foi palco do famoso incêncio narrado no livro O Ateneu, de Raul Pompéia.

As trilhas também são um espetáculo à parte dada sua riqueza e variabilidade. Um misto de cerrado e mata atlântica embeleza o caminho de cachoeiras, cavernas e montanhas num sem número de caminhadas, da quais você pode ter uma boa amostra nos blogs aqui, aqui e aqui.  No bate-e-volta que fizemos pudemos conhecer a estrutura da sede, comer um almoço caseiro e bem saboroso e fazer a Trilha da Cascatinha, que apesar de ter apenas 2km, nos deu uma bela noção do que encontrar no Santuário na próxima visita. Só ali são quatro cachoeiras e quatro piscinas naturais. Um paraíso nos dias quentes. 

Aparentemente o local tem uma ótima estrutura, apesar dos horários reduzidos para as refeições. Os preços são bastante razoáveis e há lazer para todos os gostos, exceto aos que não pretendem se desgrudar da tecnologia (celular, internet e televisão não fazem parte do roteiro, felizmente!). No site oficial tem todas as informações de que você precisa, mas o planejamento deve ser feito com alguma antecedência se a data escolhida for um feriadão, pois o local é muito procurado e não comporta bastante gente, o que provavelmente contribuiu para o excelente estado de conservação do local e permite curiosidades como a “visita” do lobo guará.

Vale ressaltar também que visitamos o santuário no dia 31/12/2012, reveillon, mas apesar de o lugar estar na capacidade máxima tudo estava MUITO tranquilo. Pegamos alguma fila para entrar no refeitório, mas não tivemos problema para conseguir uma mesa ou nos servir. E mesmo na atração mais concorrida e de fácil acesso – a Cascatinha – não havia crowd. Repito: paraíso.

E foi isso. Exautos, fizemos a viagem de volta muito rapidamente (cerca de 1,5h) tomamos um bom banho e fomos curtir a noite de reveillon de Ouro Preto que… simplesmente não existia. Só ficamos sabendo ali, mas por problemas de orçamento a prefeitura não preparou qualquer festa, deixando a cidade sem shows ou queima de fogos oficial. Mesmo assim, a cidade se reuniu na Praça da Liberdade para conferir os fogos e estourar o champagne. Foi uma festa bem bastante tímida, mas como esse não era nem de longe nosso objetivo na viagem, nem ligamos. Antes da uma da manhã há estávamos na cama descansando para pegar a estrada para Belo Horizonte no dia seguinte.

Ainda sobre Ouro Preto, uma última dica que pode ser útil caso você passe por ali nessa época: nessa noite de reveillon comemos no Restaurante & Choperia da Direita, que fica próximo à Praça Tiradentes (Rua Direita, 75 – (31) 3551-6844 ramal 223) um dos poucos restaurantes abertos que não operavam com pacotes de ceia e pré-reserva. Os preços foram até razoáveis pelos pratos requintados do cardápio, mas na pressa os garçons não foram muito atenciosos e o resultado não foi tão legal (carnes fora do ponto, molhos não tão bem temperados). No entanto, o ambiente bacana, a ótima localização, a boa música ambiente (jazz) e o chopp bem tirado compensaram a visita.

Toca pra Belo Horizonte!

Share

Reveillon Mineiro, Dia 05: Santuário Bom Jesus de Matosinhos

IMG_4890s

Depois da correria do dia anterior, deixamos o dia 30 para levantar um pouco mais tarde, cutir o café da manhã com calma e conhecer Congonhas, cidade histórica cuja origem remonta a 1757 com a construção do santuário que dá nome a este post e é a principal atração da cidade: Santuário Bom Jesus de Matosinhos.

Já tinha lido sobre ele aqui e as altíssimas notas dadas pelos visitantes me intrigavam, já que em mais de uma ocasião ouvi falar que os famosos profetas já estavam  bastante degradados pela ação do tempo. Nada que impeça os visitantes de curtir, acreditem. As obras de Aleijadinho e Mestre Ataíde são muito mais bonitas ao vivo.

IMG_4873sSão nada menos que 78 esculturas em tamanho natural, dentre elas os 12 espetaculares profetas dispostos no adro (área externa delimitada) da igreja, feitos inteiramente de pedra-sabão. Suas feições são tão impressionantes que parecem estar vivos. É um trabalho realmente espetacular! Logo abaixo, as capelas que formam a via crucis também são dignas de aplausos. São tão ricas e detalhadas que o passeio entre elas levou quase 1,5h de explicações do guia que contratamos! É um trabalho único, misterioso e impressionante esteticamente. Você pode ser sobre ele aqui, aqui e aqui, mas nada vai chegar perto do que você verá ao vivo. E repito: se você não é versado em arte barroca, nem pensem em economizar no guia. Imprescindível para aproveitar corretamente o passeio.

Na volta, apesar do Restaurante Cova de Daniel bem ao lado, nosso guia recomendou um estabelecimento bem maior e de buffet mais generoso: o Panela de Pedra, que fica na Av. Júlia Kubitscheck, 854. Não chega ao nível dos que experimentamos nas demais cidades, mas sem dúvida vale a visita depois de conhecer o Santuário. E por lá ficamos até o fim da tarde, quando voltamos a Ouro Preto para curtir a noite. Há mais o que ver em Congonhas, mas a cidade não nos inspirou muito a explorar, já que não é charmosa como suas vizinhas, tampouco se preocupou em sinalizar as atrações. O Santuário, entretanto, é muito fácil de encontrar e merece ser visitado.

A seguir, Santuário do Caraça.

Share

Reveillon Mineiro, Dia 03: Ouro Preto, Mariana e Mina da Passagem

IMG_4761s

A viagem noturna foi tranquila. Do Inhotim a Ouro Preto levamos cerca de 2,5 horas, com trânsito mais pesado apenas nos 13km que ligam o Instituto até Brumadinho e em alguns poucos trechos da BR-356 onde havia alguma concentração de caminhões. Muito tranquilo de se fazer, mesmo à noite, desde que em velocidade compatível com a via e sem pressa. No caminho, fizemos uma boquinha no Sabor Smoke, localizado no Km 55.5, região de Itabirito. Um pão de queijo com lingüiça espetacular e uma coca bem gelada nos deram uma boa animada para seguir em frente!

Chegamos à Pousada Geraes por volta das 21h, um tanto cansados da pernada diurna. Muito bem recepcionados, pudemos escolher os quartos que mais nos agradaram, pois o local estava vazio (os dias entre o Natal e o Reveillon são muito tranquilos na região!). A pousada fica bem próxima da entrada da cidade, o que é bom porque fica numa área bem silenciosa e tranquila, com uma boa vista do centro histórico (a foto acima é da janela de um dos quartos) mas provavelmente há quem não goste da localização, que obriga os hóspedes a descerem de carro para o centro. Os quartos são simples, mas bem limpos e confortáveiscom frigobar e TV. O único ponto negativo, certamente , é o estacionamento: entrada apertada, no trecho mais inclinado da ladeira, que dá um bom trabalho para encaixar um carro grande como a Dobló em que estávamos. Para evitar a fadiga, optamos por deixar o carro na rua todos os dias e não houve qualquer problema.

Logo na primeira noite, acertamos em cheio no boteco: bar do Hotel Toffolo. Comida espetacular e atendimento nota dez num local que é referência histórico-cultural da cidade e ponto de encontro mais do que obrigatório na vida noturna de Ouro Preto. Se voltar a cidade algum dia, quero ficar hospedado ali.

Ao amanhecer do terceiro dia, tomamos um café longo e gostoso na pousada, sem muita pressa, porém bastante ansiosos por um dos lugares que tínhamos mais vontade de conhecer: a Mina da Passagem! E justiça seja feita: foi o post da Silvia do Matraqueando que me animou a conhecer o local. Agradeço imensamente.

Mina da Passagem: Ouro Preto - Mariana

Um dos passeios mais interessantes de quem vai a região de Ouro Preto e Mariana é visitar essa antiga mina de ouro, a maior aberta à visitação do mundo. Explorada desde 1819, está muito bem conservada e ainda possui parte do maquinário antigo, que ajudou a retirar mais de 35 toneladas de ouro do local.  Com temperaturas de 17º C a 20º C em seu interior, os amplos salões impressionam, especialmente o último da visitação, que possui um lago de água cristalina (e gelada).

Continue lendo “Reveillon Mineiro, Dia 03: Ouro Preto, Mariana e Mina da Passagem”

Share

Nunca a Antártida esteve tão perto

antártida, antarctica, polo sul, viagens, gelo, google, street view

Que o Ártico é um oceano cercado por continentes, enquanto a Antártida é um continente cercado por oceanos, você já sabia. Que ambos os polos compartilham o clima mais frio da terra, onde somente alguns vegetais primitivos como musgos e líquens podem sobreviver, também.
.
O que provavelmente você não sabia é que enquanto no Ártico há uma série de etnias nativas isoladas tocando suas vidas há milhares de anos, na Antártica não há nada nem ninguém vivendo definitivamente desde sempre, justificando seu título de lugar mais inóspito do planeta.
.
O primeiro louco que passou por ali foi James Cook, que em 1773 navegou pelo círculo polar antárctico (linha imaginária ao norte do continente) mas pouco ficou. Em 1911, Roald Amundsen finalmente chegou ao Pólo Sul, seguido por Robert Falcon Scott um mês depois. Aliás, a trágica aventura desde último, que morreu em missão, foi contada no belo e emocionante livro Rumo ao Pólo Sul (um dos melhores que eu já li!).
.
Brasileiros também já passaram por lá. Este ano mesmo, tivemos a triste notícia de que nossa base – a Estação Comandante Ferraz – sofreu um grave incêndio que vitimou dois oficiais e dizimou boa parte dos equipamentos e pesquisas do Brasil no continente gelado. A base será reconstruída e o governo condecorou os militares mortos incidente. Há ainda um ótimo documentário das viagens do Mar sem Fim do Amyr Klink por lá. Assista no netflix.
.
Nada disso é novidade. A grande sacada da vez é mesmo do Google: o Street View está na Antártida! Ok, isso não é exatamente novo, já que algumas imagens já estão disponíveis para o serviço desde 2010, mas dessa vez vários  lugares históricos foram mapeados, fotografados e filmados pelo projeto Google World Wonder Project. Agora dá pra ver, por dentro e por fora, os detalhes da cabana do Capitão Robert Falcon Scott, por exemplo.
.
Confira abaixo a apresentação do serviço e o video promocional. Boa viagem!
.
Back in September 2010, we launched the first Street View imagery of the Antarctic, enabling users from more habitable lands to see penguins in Antarctica for the first time. Now we’re bringing you additional panoramic imagery of historic Antarctic locations that you can view from the comfort of your homes. We have added this special collection to our World Wonders site, where you can learn more about the history of South Pole exploration.
.
Share

‘O Marzão naufragou’

A partir desta quinta-feira, um clique em www.marsemfim.com.br oferecerá ao navegante 45 horas de documentários, cerca de 4 mil fotos, mapas, dezenas de entrevistas com professores universitários, ambientalistas, técnicos do governo e gente simples e sofrida, os nativos.

O navegante ainda pode escolher outro destino, a Antártica. Esta expedição, que o levará à Ilha Rei George, onde está a base brasileira, resultou em cinco horas de documentários.

O criador do site e autor de todo o material é João Lara Mesquita, da família fundadora do jornal O Estado de S. Paulo. Apaixonado pelo mar desde criança, esse foi seu caminho natural quando deixou o comando da Rádio Eldorado, de São Paulo, em 2003.

“Acordo pouco depois das 8 da manhã. Nem bem saí do beliche quando Plínio (um dos tripulantes) voltou lá de fora, arrasado, e me abraçou. ‘O Marzão naufragou’, disse, ‘só a proa está de fora’. Foi um choque terrível. Um golpe. Um direto no queixo.”

Foi assim que o jornalista e ex-diretor da Rádio Eldorado, João Lara Mesquita, de 56 anos, descreveu o instante em que soube do naufrágio do barco Mar Sem Fim, ocorrido na madrugada de sábado na Antártida, próximo à Baía de Fields. Mesquita, capitão do barco, e a tripulação, formada por Plínio Romeiro Júnior, de 58 anos, Alonso Irineu Góes, de 65, e Manoel de Souza, de 35, haviam sido resgatados na quinta-feira por marinheiros da base chilena local.

Continue lendo “‘O Marzão naufragou’”

Share

Não conta lá em casa!

nao conta

Há tempos eu não topava com um programa tão bacana na televisão. Residente no Multishow, a série é sobre quatro caras que cuja missão é mochilar para zonas de conflito registrando suas impressões em vídeo. O objetivo, segundo eles mesmos, é revelar um outro lado de países que se encontram em situações extremas, desmistificando a visão midiática da questão e  apresentando o ponto de vista dos moradores. Imperdível.

Se você se interessou, dê uma passada no blog do Russo, um dos caras que ajudou o grupo a organizar uma trip para a região do Cáucaso (Daguestão, Chechênia, Ossétia do Norte, Ossétia do Sul e Abkházia, região da extinta União Soviética). Lá o cara hospeda vídeos de boa parte da quarta temporada da série e segundo ele “foi mais uma daquelas viagens que muita gente pagaria para não ter que fazer, mas os caras enfrentam isso para mostrar que existe vida além daquilo que a gente vê no noticiário internacional”. Há algum material extra sobre a série também.  

Na minha opinião, aquela temporada foi a mais interessante. O programa visitou uma Missão de Ajuda Humanitária do Tsunami no Japão, exploraram o Haiti (triste!), a polêmica Cuba (nós também já fomos! veja aqui) , o já citado perrengue no cáucaso com direito a atentados terroristas, KGB e  picos interessantes em Moscou) e finalizaram com um episódio especial sobre Hiroshima, mostrando como os japoneses reagiram na época, como encaram hoje em dia o episódio e todos os museus e monumentos relacionados.

A atual sétima temporada está rolando e você pode conferir as reprises no horário oficial do programa: quartas às 22h (horário do inédito) e reprises às quintas  14:30, sábados 3:30, domingos 8:00, segunda 14:00, terça 1:30 e quarta 6:00.

Visitem também: Site Oficial

Share

Finalmente: Guia de Museus Brasileiros

A relação do viajante com os museus é um dos temas mais interessantes pelos quais a conversa “mochila” pode enveredar. Muitos viajam apenas para conhecê-los, outros os enxergam como quadjuvantes nas viagens e reservam pouco tempo para apreciar suas belezas e há ainda aqueles que só os visitam se o tempo estiver ruim. Não importa qual é o seu perfil, você vai gostar de saber que o Instituto Brasileiro de Museus (Ibram/Ministério da Cultura) acaba de publicar um guia que dados fundamentais de 3.118 museus (até 24/07/2011) de todos o Brasil, tais como ano de criação, endereço, acervo, acessibilidade, infraestrutura para recebimento de estrangeiros, site, email e telefone para contato, dentre outros.

O guia conta com 1.150 endereços só na região Sudeste e tem informações bem organizadas e atualizadas. Os museus estão divididos por região, estado e município, contam com legendas explicativas e um índice remissivo ao final. O site Museus na página dedicada ao  Guia disponibiliza a obra em formato PDF separado por regiões, como neste aqui que cataloga todos os museus do Sudeste.

Conforme informações do Cadastro Nacional de Museus, este é seu primeiro produto editorial e o mais atual e o mais completo guia já produzido na área no Brasil. A expectativa é de que ele facilite o acesso do público aos acervos brasileiros e promova a difusão de informações sobre o setor no país.  É claro que o mochileiro mais exigente sempre espera um pouco mais de apuro e informação, mas num país ainda imenso, caótico e deficiente de estrutura turística como o nosso, só o fato de ter sido esgotada essa fase inicial de levantamento dos museus já é algo a comemorar. Apesar de nem todos os museus terem informações de horário de funcionamento, por exemplo, ao menos alguns meios de contato foram listados em todos eles e isso por si só já é suficiente para organizar a visita. Aliás, mesmo que o horário esteja lá, sabe como é… melhor confirmar antes de por a mochila nas costas.

Conheça também o site Museus.art.br, de iniciativa da Bolsa de Arte do Rio de Janeiro. Apesar de conter links um tanto desatualizados, o site tem informações interessantes sobre a programação de museus do mundo todo, acervos e exposições virtuais. Curte o assunto? Conheça também a versão nacional da Revista Museu. Dotada de um acervo riquíssimo de reportagens, links e guias sobre o assunto, o forte da revista é a programação cultural, com guias atualizados e com enfoque diferenciado de tudo que acontece na área. Bora musear por aí!

Share