‘O Marzão naufragou’

A partir desta quinta-feira, um clique em www.marsemfim.com.br oferecerá ao navegante 45 horas de documentários, cerca de 4 mil fotos, mapas, dezenas de entrevistas com professores universitários, ambientalistas, técnicos do governo e gente simples e sofrida, os nativos.

O navegante ainda pode escolher outro destino, a Antártica. Esta expedição, que o levará à Ilha Rei George, onde está a base brasileira, resultou em cinco horas de documentários.

O criador do site e autor de todo o material é João Lara Mesquita, da família fundadora do jornal O Estado de S. Paulo. Apaixonado pelo mar desde criança, esse foi seu caminho natural quando deixou o comando da Rádio Eldorado, de São Paulo, em 2003.

“Acordo pouco depois das 8 da manhã. Nem bem saí do beliche quando Plínio (um dos tripulantes) voltou lá de fora, arrasado, e me abraçou. ‘O Marzão naufragou’, disse, ‘só a proa está de fora’. Foi um choque terrível. Um golpe. Um direto no queixo.”

Foi assim que o jornalista e ex-diretor da Rádio Eldorado, João Lara Mesquita, de 56 anos, descreveu o instante em que soube do naufrágio do barco Mar Sem Fim, ocorrido na madrugada de sábado na Antártida, próximo à Baía de Fields. Mesquita, capitão do barco, e a tripulação, formada por Plínio Romeiro Júnior, de 58 anos, Alonso Irineu Góes, de 65, e Manoel de Souza, de 35, haviam sido resgatados na quinta-feira por marinheiros da base chilena local.

Continue lendo “‘O Marzão naufragou’”

Share

O Misterioso Lago Vostok

A realidade é de fato uma eterna caixa de surpresas. Nada como um dia após o outro para comprovar que a vida real pode ser mais surpreendente do que a mais extraordinária fantasia que venha habitar a nossa mente. Mais incrível ainda é o fato de uma assombrosa descoberta – com notável impacto para os conhecimentos geográficos, físicos, químicos,   biológicos e até mesmo astronômicos – estar localizada no longínquo continente gelado.

Argumento que dispensaria argumentação, os  livros didáticos sugerem direta ou indiretamente  que a Antártida seria simplesmente um continente coberto por uma vasta  geleira. Nada mais do que um continente gelado, sem nenhuma outra  singularidade além  de sua enorme capa de gelo, habitada  nos bordos por alegres colônias de pingüins e algumas outras espécies da vida selvagem, todas ameaçadas pelo aquecimento global.

Contudo, este continente abriga segredos que ninguém poderia sequer imaginar. Na última década do Século XX, diversas pesquisas comprovaram a existência, sob a capa de gelo, de nada menos que 140 lagos subglaciais.

Isto mesmo, formações lacustres lacradas pela espessa calota polar da Antártida. Estes lagos acumulam enorme volume de água doce, alcançando em alguns casos dimensões extraordinárias.

De todos, o destaque cabe ao Lago Vostok, cuja existência somente foi confirmada em 1996 por glaciólogos russos e britânicos. Situado centenas de quilômetros no interior da Antártida, Vostok possui 240 km de comprimento e 50 de  largura, concentrando a fabulosa quantidade de 5.400 km³ de água doce. Com 15.690 km², sua área equivale à do Lago Ontário, um dos Grandes Lagos da América do Norte. Porém, é muito mais profundo.  Enquanto o Ontário possui no máximo 244m de profundidade, o Vostok, de acordo com algumas pesquisas, alcançaria 1.000 m em alguns pontos!” (…)

Continue lendo aqui a reportagem ilustrada de 2009 do
Prof. Dr. Maurício Waldman, Pós-Doc do Instituto de Geociências da UNICAMP  – fonte:  www.mw.pro.br

Share