Andar à pé

“É exato que não passamos de cruzados acovardados, inclusive os andarilhos hodiernos, que não perseveram e nunca terminam suas empresas. Nossas expedições não passam de giros e regressamos à noitinha para o pé da velha lareira da qual nos apartáramos. Metade da jornada é para trilhar os caminhos já percorridos. Devíamos, andando menos, percorrer maior distância, e talvez, no espírito imortal da aventura, nunca mais regressarmos, preparados para devolver os nossos corações embalsamados, como relíquias aos nossos desolados domínios. Se estais pronto para deixar pai e mãe, irmão e irmã, esposa e filho, e amigos, e a nunca mais vê-los — se haveis saldado vossas dívidas, feito vosso testamento, deixado em ordem os negócios e se sois um homem livre, então estais pronto para uma caminhada.”

Trecho do Prólogo de Andar a Pé – Henry David Thoreau

Com essa apresentação, Thoreau abre uma de suas obras mais interessantes, que trata do significado da caminhada, seja ela como forma de locomoção quanto de metáfora de encarar a realidade. Para Thoreau, encarar a caminhada como o objetivo e não o meio de se chegar é a redenção da alma. Clique aqui para baixar o livro e carregue com você como leitura pré, durante e pós-trip. Uma belíssima companhia para o mochileiro solitário.

Share

Alan Poe: belo companheiro de viagem

O que você vê aí em cima foi o primeiro trabalho em stop-motion de Tim Burton, um curta simplesmente delicioso. Gótico até os dedos do pé, conta a história de Vincent Malloy, um garotinho que quer ser Vincent Price e vive sonhando acordado. Price, que narra o curta, é um caso à parte: famoso ator de adaptações para o cinema de contos do mestre do horror – Edgar Alan Poe – realizadas há quase cinqüenta anos, o cara narra a história de forma bastante peculiar.

Continue lendo “Alan Poe: belo companheiro de viagem”

Share