Reveillon Mineiro, Dia 07: Mirante do Mangabeiras em Belo Horizonte e volta para casa

sIMG_4929

Pé na estrada, chegamos muito rápido a Belo Horizonte. Realmente a época do reveillon é bastante tranquila na capital mineira, muito diferente do que estamos acostumados em São Paulo.

Este não era nosso destino final, pois como você já leu no post sobre Belo Horizonte, lá no começo da trip, viemos de avião e o aeroporto fica em Confins,  que fica a 38km do centro da capital. Mas o diferencial na hora de escolher a locadora de carros (Movida) foi justamente esse: poder escolher se devolve o carro na loja do centro ou no aeroporto. Pela comodidade, escolhemos a segunda opção, economizando no traslado e garantindo mais uma visita rápida a BH.

Como a viagem foi muito rápida de Ouro Preto a BH, sobrou-nos algum tempo livre que aproveitamos para conhecer o Mirante do Mangabeiras, que fica na Rua Pedro José sIMG_4935Pardo, 1000, bem atrás do Palácio Mangabeiras. Recém-reformado, o mirante, que abre das 10-22h e fica numa área de 35 mil metros quadrados,  conta com dois decks de madeira bem bacanas que dão conforto aos que vão ali para apreciar a vista mais bonita de BH, relaxar, jogar conversa fora ou simplesmente caminhar. Vale ressaltar que o local é perfeitamente seguro, cercado, vigiado pela Guarda Municipal e por um sistema inteligente de câmeras de segurança, totalmente diferente do que era há um ano atrás, por exemplo. Aqui vale a dica atualizada, portanto, ignore as advertências remanescentes de guias, blogs, sites de turismo e fóruns internet afora. Muitos moradores também não sabem que o local foi reformado e deixam de recomendar a visita a um dos pontos mais legais de BH.

sIMG_4933

E foi assim que encerramos a viagem com chave de ouro. À nossa espera, um 2013 cheio de viagens, emoções e quem sabe mais uma visita à capital mineira e seus arredores que ainda têm muito a ser explorado.

Espero que aproveitem as dicas e façam o roteiro, que vale muito a pena apesar de parecer um pouco corrido. O fato é que BH, Ouro Preto e até mesmo o Santuário do Caraça, sozinhos , já valem ficar todos os sete dias de viagem em que conhecemos todos eles juntos.

Pesquise, planeje, roteirize e se jogue. Todo brasileiro merece conhecer Minas Gerais!

Share

Reveillon Mineiro, Dia 06: Santuário e Parque Natural do Caraça

estrada, santa barbara, catas altas, caraca, restaurantes, trilhas, cachoeiras, museus, dicas, reveillon, fogos, lobo guará.

sIMG_4917

A Serra do Caraça é uma das mais bonitas e imponentes de Minas Gerais e só o seu visual já é motivo suficiente para visitar o Santuário.

Que acha então de poder caminhar em trilhas, visitar cachoeiras, conhecer cavernas, ver ao vivo um animal fascinante como o lobo guará, conhecer um prédio histórico que já foi cenário de livro, dormir em quartos simples e isolados do mundo, sem acesso a celulares, internet ou televisão e de quebra comer uma boa comida caseira? Foi exatamente isso que fomos conferir, apesar de termos apenas um único dia disponível.

O bate-e-volta de Ouro Preto não só é possível, como altamente recomendável. São apenas 76km de distância, percorridos em cerca de duas horas e de cara só a vista que se tem da estrada já compensa a jornada. Primeiro, pelo visual estonteante dos contrafortes ao longe, à esquerda da rodovia. Segundo, pela desolação da paisagem logo que se deixa Mariana para trás: o cenário devastado das minas – Alegria, Timbopeba, A quente e Fazendão – da Vale é impressionante! Nesse trecho, especialmente, vale muita atenção com os caminhões pesados.

A Reserva Particular do Patrimônio Natural – Santuário do Caraça fica entre as cidades de sIMG_4904Catas Altas e Santa Bárbara, ao sul do paredão da Serra do Espinhaço, no chamado Quadrilátero Ferrífero e faz parte do circuito da Estrada RealO único acesso à RPPN é feito por Santa Bárbara, percorrendo-se os 09 Km da Rodovia do Caraça. No caminho há placas para os distritos de Brumal, Sumidouro e Santana do Morro, que numa viagem mais longa também merecem uma exploradinha. Já dentro do Santuário, da Portaria até a sede são mais 11 km de estrada asfaltada. Não tivemos qualquer problema no caminho e de quebra ainda pegamos uma manhã espetacular, de céu azul e sol intenso. 

Como o Santuário abre às 08:00, para aproveitar bem o dia o ideal é sair de Ouro Preto por volta de 6h, mas devido ao cansaço da viagem acabamos nos atrasando um pouco e chegamos ao Santuário apenas às das 10h45. De cara, nossa impressão foi a melhor possível: sIMG_4897fundado em 1774 como pouso de peregrinos cristãos, o local que já foi colégio de seminaristas e escola de ensino médio, tem uma atmosfera mágica, daquelas de ter parado no tempo. Pleno de cultura, há referências sobre sua curiosa história em todos os corredores do local onde hoje funciona a pousada, no museu, na bela Igreja, nas catacumbas onde estão enterradas figuras ilustres de sua história (foto ao lado) e até mesmo entre as árvores do morro em frente à sede, onde há uma representação da via crucis. Sua importância é indiscutível: Caraça recebeu a visita dos dois Imperadores, formou estadistas de renome e foi palco do famoso incêncio narrado no livro O Ateneu, de Raul Pompéia.

As trilhas também são um espetáculo à parte dada sua riqueza e variabilidade. Um misto de cerrado e mata atlântica embeleza o caminho de cachoeiras, cavernas e montanhas num sem número de caminhadas, da quais você pode ter uma boa amostra nos blogs aqui, aqui e aqui.  No bate-e-volta que fizemos pudemos conhecer a estrutura da sede, comer um almoço caseiro e bem saboroso e fazer a Trilha da Cascatinha, que apesar de ter apenas 2km, nos deu uma bela noção do que encontrar no Santuário na próxima visita. Só ali são quatro cachoeiras e quatro piscinas naturais. Um paraíso nos dias quentes. 

Aparentemente o local tem uma ótima estrutura, apesar dos horários reduzidos para as refeições. Os preços são bastante razoáveis e há lazer para todos os gostos, exceto aos que não pretendem se desgrudar da tecnologia (celular, internet e televisão não fazem parte do roteiro, felizmente!). No site oficial tem todas as informações de que você precisa, mas o planejamento deve ser feito com alguma antecedência se a data escolhida for um feriadão, pois o local é muito procurado e não comporta bastante gente, o que provavelmente contribuiu para o excelente estado de conservação do local e permite curiosidades como a “visita” do lobo guará.

Vale ressaltar também que visitamos o santuário no dia 31/12/2012, reveillon, mas apesar de o lugar estar na capacidade máxima tudo estava MUITO tranquilo. Pegamos alguma fila para entrar no refeitório, mas não tivemos problema para conseguir uma mesa ou nos servir. E mesmo na atração mais concorrida e de fácil acesso – a Cascatinha – não havia crowd. Repito: paraíso.

E foi isso. Exautos, fizemos a viagem de volta muito rapidamente (cerca de 1,5h) tomamos um bom banho e fomos curtir a noite de reveillon de Ouro Preto que… simplesmente não existia. Só ficamos sabendo ali, mas por problemas de orçamento a prefeitura não preparou qualquer festa, deixando a cidade sem shows ou queima de fogos oficial. Mesmo assim, a cidade se reuniu na Praça da Liberdade para conferir os fogos e estourar o champagne. Foi uma festa bem bastante tímida, mas como esse não era nem de longe nosso objetivo na viagem, nem ligamos. Antes da uma da manhã há estávamos na cama descansando para pegar a estrada para Belo Horizonte no dia seguinte.

Ainda sobre Ouro Preto, uma última dica que pode ser útil caso você passe por ali nessa época: nessa noite de reveillon comemos no Restaurante & Choperia da Direita, que fica próximo à Praça Tiradentes (Rua Direita, 75 – (31) 3551-6844 ramal 223) um dos poucos restaurantes abertos que não operavam com pacotes de ceia e pré-reserva. Os preços foram até razoáveis pelos pratos requintados do cardápio, mas na pressa os garçons não foram muito atenciosos e o resultado não foi tão legal (carnes fora do ponto, molhos não tão bem temperados). No entanto, o ambiente bacana, a ótima localização, a boa música ambiente (jazz) e o chopp bem tirado compensaram a visita.

Toca pra Belo Horizonte!

Share

Reveillon Mineiro, Dia 05: Santuário Bom Jesus de Matosinhos

IMG_4890s

Depois da correria do dia anterior, deixamos o dia 30 para levantar um pouco mais tarde, cutir o café da manhã com calma e conhecer Congonhas, cidade histórica cuja origem remonta a 1757 com a construção do santuário que dá nome a este post e é a principal atração da cidade: Santuário Bom Jesus de Matosinhos.

Já tinha lido sobre ele aqui e as altíssimas notas dadas pelos visitantes me intrigavam, já que em mais de uma ocasião ouvi falar que os famosos profetas já estavam  bastante degradados pela ação do tempo. Nada que impeça os visitantes de curtir, acreditem. As obras de Aleijadinho e Mestre Ataíde são muito mais bonitas ao vivo.

IMG_4873sSão nada menos que 78 esculturas em tamanho natural, dentre elas os 12 espetaculares profetas dispostos no adro (área externa delimitada) da igreja, feitos inteiramente de pedra-sabão. Suas feições são tão impressionantes que parecem estar vivos. É um trabalho realmente espetacular! Logo abaixo, as capelas que formam a via crucis também são dignas de aplausos. São tão ricas e detalhadas que o passeio entre elas levou quase 1,5h de explicações do guia que contratamos! É um trabalho único, misterioso e impressionante esteticamente. Você pode ser sobre ele aqui, aqui e aqui, mas nada vai chegar perto do que você verá ao vivo. E repito: se você não é versado em arte barroca, nem pensem em economizar no guia. Imprescindível para aproveitar corretamente o passeio.

Na volta, apesar do Restaurante Cova de Daniel bem ao lado, nosso guia recomendou um estabelecimento bem maior e de buffet mais generoso: o Panela de Pedra, que fica na Av. Júlia Kubitscheck, 854. Não chega ao nível dos que experimentamos nas demais cidades, mas sem dúvida vale a visita depois de conhecer o Santuário. E por lá ficamos até o fim da tarde, quando voltamos a Ouro Preto para curtir a noite. Há mais o que ver em Congonhas, mas a cidade não nos inspirou muito a explorar, já que não é charmosa como suas vizinhas, tampouco se preocupou em sinalizar as atrações. O Santuário, entretanto, é muito fácil de encontrar e merece ser visitado.

A seguir, Santuário do Caraça.

Share

Reveillon Mineiro, Dia 03: Ouro Preto, Mariana e Mina da Passagem

IMG_4761s

A viagem noturna foi tranquila. Do Inhotim a Ouro Preto levamos cerca de 2,5 horas, com trânsito mais pesado apenas nos 13km que ligam o Instituto até Brumadinho e em alguns poucos trechos da BR-356 onde havia alguma concentração de caminhões. Muito tranquilo de se fazer, mesmo à noite, desde que em velocidade compatível com a via e sem pressa. No caminho, fizemos uma boquinha no Sabor Smoke, localizado no Km 55.5, região de Itabirito. Um pão de queijo com lingüiça espetacular e uma coca bem gelada nos deram uma boa animada para seguir em frente!

Chegamos à Pousada Geraes por volta das 21h, um tanto cansados da pernada diurna. Muito bem recepcionados, pudemos escolher os quartos que mais nos agradaram, pois o local estava vazio (os dias entre o Natal e o Reveillon são muito tranquilos na região!). A pousada fica bem próxima da entrada da cidade, o que é bom porque fica numa área bem silenciosa e tranquila, com uma boa vista do centro histórico (a foto acima é da janela de um dos quartos) mas provavelmente há quem não goste da localização, que obriga os hóspedes a descerem de carro para o centro. Os quartos são simples, mas bem limpos e confortáveiscom frigobar e TV. O único ponto negativo, certamente , é o estacionamento: entrada apertada, no trecho mais inclinado da ladeira, que dá um bom trabalho para encaixar um carro grande como a Dobló em que estávamos. Para evitar a fadiga, optamos por deixar o carro na rua todos os dias e não houve qualquer problema.

Logo na primeira noite, acertamos em cheio no boteco: bar do Hotel Toffolo. Comida espetacular e atendimento nota dez num local que é referência histórico-cultural da cidade e ponto de encontro mais do que obrigatório na vida noturna de Ouro Preto. Se voltar a cidade algum dia, quero ficar hospedado ali.

Ao amanhecer do terceiro dia, tomamos um café longo e gostoso na pousada, sem muita pressa, porém bastante ansiosos por um dos lugares que tínhamos mais vontade de conhecer: a Mina da Passagem! E justiça seja feita: foi o post da Silvia do Matraqueando que me animou a conhecer o local. Agradeço imensamente.

Mina da Passagem: Ouro Preto - Mariana

Um dos passeios mais interessantes de quem vai a região de Ouro Preto e Mariana é visitar essa antiga mina de ouro, a maior aberta à visitação do mundo. Explorada desde 1819, está muito bem conservada e ainda possui parte do maquinário antigo, que ajudou a retirar mais de 35 toneladas de ouro do local.  Com temperaturas de 17º C a 20º C em seu interior, os amplos salões impressionam, especialmente o último da visitação, que possui um lago de água cristalina (e gelada).

Continue lendo “Reveillon Mineiro, Dia 03: Ouro Preto, Mariana e Mina da Passagem”

Share

Feliz 2013

Gostaria de agradecer a todos que continuam vindo aqui prestigiar o blog e às mensagens de carinho que recebi em 2012. O objetivo sempre foi compartilhar informações de qualidade sobre viagens que faço por aí e ajudar aos incautos a mochilarem mais e melhor mundo afora. Acho que tenho conseguido, ainda que poste com muito menos frequência do que gostaria.

Nesse fim de ano fui a Minas Gerais, um pouco mais acima do que costumava ir. BH, Brumadinho, Ouro Preto, Caraça e arredores me surpreenderam muito. Em breve posto tudo.
Grande Abraço!
Raulzito

Share

Serra da Canastra – MG

A região da Serra da Canastra, na região sudoeste de Minas Gerais, possui algumas das bonitas paisagens mineiras. Apesar de desconhecida da maioria dos brasileiros, o turismo cresce a olhos vistos na região, que teve recentemente as estradas do entorno asfaltadas e urbanizadas. A região da SdC tem cerca de  200 mil hectares e abrange seis municípios: Vargem Bonita, São João Batista do Glória, Capitólio, São Roque de Minas, Sacramento e Delfinópolis,  estes últimos três margeando o Parque Nacional da Serra da Canastra.

Criado em 1972 para proteger os recursos hídricos da região, o PNSC protege as nascentes do Rio São Francisco, Rio Araguari e Rio Grande, proporcionando também o desenvolvimento da região, rica em atrativos ecológicos e turísticos, gerando renda para os moradores locais e favorecendo o desenvolvimento do mercado de hospedagem turística e a formação de guias da região. Dentro do Parque Nacional, a maior atração é a bela cachoeira Casca D’Anta, de quase 200m de altura, formando a primeira grande queda do “velho Chico”.  A paisagem basicamente preenche-se de  campos rupestres floridos, típico e matas de galerias, povoados por animais raros como o  tamanduá-bandeira,  o lobo-guará e o pato mergulhão e grande quantidade de capivaras, cuja carne é muito apreciada na região e veados-campeiros, frequentemente avistados nas montanhas. Se você optar por visitá-lo atente para o horário pitoresco: o parque abre às segundas, mas fecha às terças-feiras (exceto em feriados prolongados, janeiro e julho). O horário de entrada é até as 16h00 e a saída é permitida até as 18h00h. Depois, uma bela duma advertência espera o visitante, passível de multa. Note que existe uma estrada de cerca de 60 km que corta e dá acesso a outras menores, que levam ao Retiro de Pedras, a cachoeira dos Rolinhos, o cânion do rio São Francisco e a parte alta da Cachoeira Casca D’Anta, que normalmente fica intransitável na época de chuvas. Acredite.

A temperatura da região é amena, com médiade  17 graus no inverno e 23 graus no verão, portanto leve roupas de frio e de calor. Chove bastante de dezembro a fevereiro, época em que visitei o parque e pude verificar a péssima condição de boa parte das estradas que o cortam. Se for de carro de passeio 4×2, prepare-se para bastante aventura (ver nota abaixo). Saiba também que a região é palco de diversos conflitos pela posse de terras e passa por um período conturbado em sua história. A implantação do Parque foi muito contestada na região, eis que a área protegida a ser desapropriada possuía dezenas de fazendas, várias delas em região de nascentes. Os fazendeiros resistiram por muitos anos, mas acabaram retirados à forceps pela Polícia Federal e até hoje a questão está sub judice. Entre as décadas de 70 e 90 foram diversos decretos ampliando e restringindo a área de abrangência do parque, motivados pelo lobby dos fazendeiros de um lado e o barulho dos ambientalistas de outro, mas hoje aparentemente o parque está estabilizado nos 200 mil hectares originais. Esperamos que continue assim e que a proteção efetiva saia do papel.

Note que a legislação é bastante severa em relação às permissões do parque, proibindo a prática de esportes radicais como rapel, pêndulo e escalada e restringindo a trilha da Casca D’Anta (parte alta para parte baixa e vice-e-versa) para grupos com guias credenciados. A entrada da trilha é monitorada, tanto embaixo quanto em cima, sendo que os turistas sem guia são avisados já na portaria que podem ver o entorno da cachoeira a vontade, mas não podem subir sob pena de multa e em casos extremos, prisão em flagrante. Se for, contrate um guia credenciado e reserve cinco horas para a  caminhada.
Feitas as apresentações, passo às informações atualizadas e impressões pessoais sobre a região:
Share