O incrível vulcão Rano Kau da Ilha de Páscoa

Conhecer a Ilha de Páscoa, para mim, foi realizar uma série de sonhos, todos de uma vez: minha primeira incursão no Oceano Pacífico, meu primeiro voo sobre o mar, minha primeira viagem de 4×4 e… minha primeira caminhada a um vulcão.  Sim, um vulcão!

Descoberta curiosa para a maioria dos brasileiros, um vulcão é uma estrutura geológica que surge a partir da emissão de magma, gases e partículas quentes do interior da Terra para a superfície terrestre. Como sabemos, quando em atividade libera um grande volume de cinzas e gases na atmosfera, além da eventual – e lindamente perigosa – lava, tornando seu entorno um lugar “especial” para se viver.

Os vulcões ativos têm sua origem em decorrência dos movimentos de placas litosféricas, podendo entrar em atividade a qualquer momento. Alguns, como os famosos vulcões havaianos, liberam vapor de vez em quando e fazem a festa dos fotógrafos. O mais famoso por lá, Kilauea, expele lava desde que eu nasci. E já faz um tempinho.

Felizmente, um dia eles dormem, tornam-se inativos. Alguns viram paisagem de janela, como o El Misti no Peru, muitos tornam-se parque de esportes radicais e outros tantos se revelam ótimos pontos de mergulho. Nada, entretanto, bate a sensação de se conhecer um vulcão a três mil quilômetros de qualquer outra coisa, no meio do Oceano Pacífico, rodeado de pedras gigantes construídas por civilizações antigas e envolto numa paisagem de tirar o fôlego. Com a devida licença dos moais, esse bonitão aí da foto chama-se Rano Kau e para mim é a verdadeira cereja do bolo da Ilha de Páscoa.

Ranu kau de ladinho

Continue lendo “O incrível vulcão Rano Kau da Ilha de Páscoa”

Share

Challenging your dreams e outras viagens pelo mundo

“Você sempre vai querer planejar melhor,
Nunca haverá dinheiro suficiente,
E o momento ideal não existe.
Portanto, encontre a coragem,
Tome uma decisão,
Prepare o quanto puder e
Vá adaptando o resto pelo caminho.
Será a melhor época de sua vida.”

Grace Downey, brasileira, nascida em São Paulo em 1977 e Robert Ager, inglês, nascido em Londres em 1965, são assim: apaixonados por viajar. Juntos já percorreram de mochila a  Europa, África, América do Sul e finalmente deram a volta ao mundo com o Challenging Your Dreams, um dos três projetos de trip que deram (ou estão dando) certo que eu curto muito seguir e vou compartilhar com vocês.

Vale a pena visitar o site do casal e conhecer a história, os perrengues e todas as dicas sobre viagens pelo Brasil e pelo mundo que eles têm para compartilhar. Como diferencial, na maioria do tempo eles optaram por acampar e viver uma vida mais simples, ao ar livre, consumindo pouca energia e minimizando o impacto ambiental do veículo e de sua própria presença. Para isso se aliaram ao Instituto Excelsa e foram viver seu sonho.

Na perna brasileira, rodaram mais 44 mil quilômetros usando esse roteiro, que pode inspirar qualquer um com tempo, disposição e dinheiro a fazer o mesmo. Amantes da fotografia, também lançaram um livro com imagens da expedição que dispensam comentários. Achei aqui por 85 mangos e asseguro: é incrível.

Tão bacana quanto está a viagem que o pessoal da Revista Trip está fazendo no projeto intitulado O Mundo é uma Kombi. Na busca pelo significado da felicidade, Felipe Costa (24 anos) e Emilio Zagaia (39) embarcaram em uma simpática Kombi verde e amarela batizada de “Caipirinha” em janeiro desse ano com destino às belas e pitorescas estradas que atravessam a América Latina. Na cabeça, 18 mil km e 17 países a percorrer, no que ao final se tornará a realização de um sonho antigo: viajar pela América e mostrar ao mundo que é possível ser feliz com simplicidade através de histórias de pessoas verdadeiramente felizes.

Tenho acompanhado bastante o blog dos caras e os posts, de periodicidade mais ou menos semanal, que são inteligentes, engraçados e cheios de informações, dicas e curiosidades. Realmente inspirador, é impossível não sentir vontade de viajar depois de ler algumas poucas linhas do blog. Impossível não delirar!

Outra que eu adorei conhecer, seguir, aprender e curtir muito foi a expedição do Viagens Maneiras. Velho conhecido dos mochileiros da internet, Gustavo Vivacqua percorreu 129.111 km, viajou 746 dias, visitou 46 países, tomou 279 cervejas diferentes, ouviu 32 idiomas, fez 91 diários de bordo, teve 13 idas ao hospital e 40 idas ao veterinário (seu companheiro de viagem é seu cão labrodoido Tapa!).

Melhor que isso, Gustavo assegura que não teve nenhum pneu furado, sofreu apenas uma extorsão policial em 18 batidas que sofreu, fez 8 viagens aéreas, 3 de container, pegou 19 ferry boats, perdeu o cachorro 5 vezes e – felizmente – não sofreu NENHUM furto ou roubo de dinheiro ou documentos. Já deu pra sacar que a trip foi um sucesso, né? Então acesse aqui o guia completo da viagem e se emocione com eles.

Duvido que só de dar uma olhadinha nos sites não brote aquela vontadezinha de pegar uma estrada…

Share

10 Viagens de carro essenciais pelos EUA (com paradas para esportistas, socialistas e punks)

Esse é o título de um dos textos mais recentes de Duff McKagan, ex-baixista do Guns n´ Roses (e inspirador da famosa marca de cerveja dos Simpsons, o que for mais relevante), para sua coluna semanal no Seatle Weekly. Compartilho abaixo com vocês essa coluna bem bacana que o cara montou, aproveitando a chegada do verão no hemisfério norte. Belas dicas para quem gosta de viajar pela terra do Tio Sam…

Duff McKagan´s Road Trips

Ah, yes. The weather is getting good out there, just in time for one of America’s favorite pastimes: the good ol’ road trip.

Right, the gasoline is inexplicably more expensive in the West right now than just about anywhere else in the country. But that shouldn’t stop you. Instead, make the best of it! Go out in a group. Nothing better than making plans with others whom you like to travel with.

In the Northwest, we have a ton of water, and no road-trip list would be good without a few excellent boat trips thrown in. With that in mind, here’s my pick of 10 locales to point your compass this summer:

1. North on I-97 from Cle Elum to Cashmere: First of all, driving north or south means no sun in the eyes. Going north on the 97 transmits you from a Western Washington chill to the warmth of the high desert. Try the Liberty Café for the locals and the caffeine.

2. Highway 2 West from Dry Falls to Waterville: One of the best straightaways in the state. Haul ass for about 40 whole miles! Make sure you get your cop-radar-detector thing working, though.

3. The drive from my house to Slim’s Last Chance on First Ave. in Georgetown: Anytime is a good time for chili and beer (well, I don’t drink personally . . . but you get the idea).

4. The Vashon Island Loop: If you are in the city and want to get out of town real fast on your motorcycle, just get on the Fauntleroy Ferry from West Seattle and ride straight off into the country. Epic for such a short distance away.

5. The Ballard Locks to Deception Pass via the west side of Whidbey Island: I once saw a stat that Seattle has the most boats per capita of any city in America. Get yourself a small craft and a VHF radio, and grow a pair. This route is dangerous when the weather picks up . . . and make sure you have a full tank of gas. Especially when you get to the eddies of Deception Pass. You wouldn’t want to get sucked down one of those.

Share

Nunca a Antártida esteve tão perto

antártida, antarctica, polo sul, viagens, gelo, google, street view

Que o Ártico é um oceano cercado por continentes, enquanto a Antártida é um continente cercado por oceanos, você já sabia. Que ambos os polos compartilham o clima mais frio da terra, onde somente alguns vegetais primitivos como musgos e líquens podem sobreviver, também.
.
O que provavelmente você não sabia é que enquanto no Ártico há uma série de etnias nativas isoladas tocando suas vidas há milhares de anos, na Antártica não há nada nem ninguém vivendo definitivamente desde sempre, justificando seu título de lugar mais inóspito do planeta.
.
O primeiro louco que passou por ali foi James Cook, que em 1773 navegou pelo círculo polar antárctico (linha imaginária ao norte do continente) mas pouco ficou. Em 1911, Roald Amundsen finalmente chegou ao Pólo Sul, seguido por Robert Falcon Scott um mês depois. Aliás, a trágica aventura desde último, que morreu em missão, foi contada no belo e emocionante livro Rumo ao Pólo Sul (um dos melhores que eu já li!).
.
Brasileiros também já passaram por lá. Este ano mesmo, tivemos a triste notícia de que nossa base – a Estação Comandante Ferraz – sofreu um grave incêndio que vitimou dois oficiais e dizimou boa parte dos equipamentos e pesquisas do Brasil no continente gelado. A base será reconstruída e o governo condecorou os militares mortos incidente. Há ainda um ótimo documentário das viagens do Mar sem Fim do Amyr Klink por lá. Assista no netflix.
.
Nada disso é novidade. A grande sacada da vez é mesmo do Google: o Street View está na Antártida! Ok, isso não é exatamente novo, já que algumas imagens já estão disponíveis para o serviço desde 2010, mas dessa vez vários  lugares históricos foram mapeados, fotografados e filmados pelo projeto Google World Wonder Project. Agora dá pra ver, por dentro e por fora, os detalhes da cabana do Capitão Robert Falcon Scott, por exemplo.
.
Confira abaixo a apresentação do serviço e o video promocional. Boa viagem!
.
Back in September 2010, we launched the first Street View imagery of the Antarctic, enabling users from more habitable lands to see penguins in Antarctica for the first time. Now we’re bringing you additional panoramic imagery of historic Antarctic locations that you can view from the comfort of your homes. We have added this special collection to our World Wonders site, where you can learn more about the history of South Pole exploration.
.
Share

Músicas para ouvir na estrada (by TripFM)

Baixe aqui uma seleção, digamos, “sui generis”, de musiquinhas para ouvir no carro e  pensar em viver e… morrer na estrada.

Tony Tornado – “Na BR-3”
Conor Oberst – “Moab”
The Breeders – “Drivin’ On 9”
Cake – “The Distance”
Fu Manchu – “King of The Road”

Fonte: TripFM

Share