Reveillon Mineiro, Dia 04: Ouro Preto

ouro preto, museus, restaurantes, onde ficar, , onde comer, o que fazer, dicas, caminhada, o que ver, igrejas, imperdível

IMG_4837s

Provavelmente esse seria o dia mais desafiador da viagem no quesito “tempo”. Como conhecer uma cidade tão grande, rica e variada com apenas um dia inteiro para apreciá-la? A ideia era fazer da forma mais calma possível, sem stress e correria, porém conhecendo o maior número de atrações.

Dado o traçado tortuoso com ruas apertadas e acidentadas, repletas de impiedosas ladeiras, a melhor e mais tranquila forma de conhecer a cidade, sobretudo o centro histórico, é mesmo a pé. Contratamos um guia na Praça Tiradentes – cobra-se cerca de 60 reais mais o almoço do guia por um dia inteiro de passeio – e partirmos para uma caminhada em meio a uma verdadeira overdose de informações, paisagens, contos e causos sobre a Inconfidência, a época da mineração e o estilo de vida mineiro.

Para nós, a visita já começou por ali mesmo, no Museu da Inconfidência. Muito bacana, com toda informação e relíquias das Minas coloniais que se pode imaginar. O belo edifício renascentista demorou quase 70 anos para ser construído e hoje é o principal ponto turístico da cidade. Já foi Câmara Municipal e Penitenciária Estadual, mas de 1938 pra cá passou por diversos trabalhos de restauração e preparo, tornando-o um moderno e organizado museu, muito gostoso de visitar.

IMG_4846sO trajeto que fizemos acho que pouco importa, já que o montamos de acordo com algumas necessidades particulares que tínhamos: um estava com fome, outro precisava de uma farmácia, outro queria comprar artesanato e por aí vai. Acho que o jeito mais legal de conhecer OP é se jogar nas ladeiras sem pressa, sem obrigações, só para sentir de verdade o lugar. Aquelas ruas apertadas de calçamento rústico e calçadas empoeiradas, repleta de uma arquitetura tão peculiar, me causaram uma sensação parecida com aquela do Gil de Meia Noite em Paris. Fiztgerald, Dali, Hemingway e Picasso aqui são Cláudio Manuel da Costa, Tomás Antônio Gonzaga, Tiradentes. Rola uma sensação de exumação, uma mistura de reminiscências da época de escola com deslumbramento por me impressionar com aquilo tudo como também o fizeram Guignard, Drumond, Vinícius. Ouro Preto é tudo que eu imaginava, mas que não dá para descrever. Passear de dia pela Rua São José é mergulhar na história. Caminhar à noite é entender porque Olavo Bilac escolheu aquele lugar para refugiar-se no passado. Ali todo parnasiano vira barroco, inevitavelmente.  

Continue lendo “Reveillon Mineiro, Dia 04: Ouro Preto”

Share

Reveillon Mineiro, Dia 02: Brumadinho e Inhotim

Instituto Inhotim – Brumadinho. Horto florestal e galeria de obras de arte contemporâneas de artistas como Helio Oiticica, Cildo Meireles, Chris Burden, Adriana Varejão, Matthew Barney, Doug Aitken, Janet Cardiff

Inhotim

Sempre que acordo num quarto de hotel, ansioso por um dia cheio de acontecimentos espetaculares, penso na famosa frase de Martha Medeiros: excesso de expectativa é o caminho mais curto para a frustração. A pensadora tem sim sua razão, mas diante do maior e mais famoso museu brasileiro do mundo não há quem segure.

Chamado de “o melhor passeio que você ainda não fez” por Ricardo Freire, o Instituto Inhotim é sem dúvida o projeto cultural mais ousado e bem sucedido da história brasileira recente. Um imenso conjunto de obras de arte, expostas a céu aberto e em galerias temporárias e permanentes, situadas em um belíssimo Jardim Botânico de 97 hectares com cinco lagos e uma área de reserva natural de riquíssima biodiversidade.

inhotim1

Helio Oiticica, Cildo Meireles, Chris Burden, Adriana Varejão, Matthew Barney, Doug Aitken, Janet Cardiff e dezenas de outros artistas de renome internacional têm seus trabalhos expostos com total liberdade num museu – que mais se assemelha a um parque de diversões de arte contemporânea – tão rico e variado que precisa de pelo menos dois dias para ser conhecido em sua plenitude, com a calma e atenção que as obras (e você) merecem. E serei sincero agora: nada entendo de arte, o tal gênero contemporâneo normalmente me arranca bocejos de tédio. Não fosse a fama sobrenatural do local (e sua imensa área verde) tocaria direto para Ouro Preto. Bobagem! Qualquer leigo certamente vai ficar impressionado. É sério.

Continue lendo “Reveillon Mineiro, Dia 02: Brumadinho e Inhotim”

Share

Dicas para sua roadtrip

Manja aquele filme do Spielberg sobre um cidadão incauto que cai na besteira de ultrapassar um psicopata num caminhão e é perseguido – e aterrorizado – por ele durante horas? Pois é, a triste notícia do falecimento de um amigo num trágico acidente essa semana me lembrou do filme e de como pequenos detalhes como uma inocente ultrapassagem ou mesmo um cálculo errado no combustível podem transformar sua diversão numa bela duma encrenca. Mas há salvação.

Verifique sempre...
Verifique sempre…

Continue lendo “Dicas para sua roadtrip”

Share

Mochileiro gonzo

No começo da segunda metade da década de 60, em pleno auge das novas liberdades editoriais de que gozava o New Journalism na imprensa norte-americana, surge uma interpretação extremada dos seus princípios sob a forma de um jornalista free-lancer do Kentucky, chamado Hunter S. Thompson. Criador e principal representante de uma modalidade de jornalismo literário denominada Gonzo Journalism, Thompson propôs a transposição da barreira essencial que separa o jornalismo da ficção: o compromisso com a verdade. Também chamado de jornalismo fora-da-lei, jornalismo alternativo e cubismo literário, o gênero inventado por Thompson tem sua força baseada na desobediência de padrões e no desrespeito de normas estabelecidas, além da insistência em quatro grandes temas: sexo, drogas, esporte e política. (Rodrigo Alvares, daqui)

Pois é. Ninguém, reforço, ninguém é mais gonzo no Brasil que Arthur Veríssimo. Jornalista, apresentador de tv, autor de livros e dvds, mochileiro profissional e louco, um apaixonado pela vida e pela narração da vida. Vida real, relatada visceralmente. Recomendo uma passadinha no seu blog no site da já mítica e sobrevivente Revista Trip, que apesar de ter poucos e curtos posts, dá uma idéia da linha hipnótica que o cara segue na revista.

Tem posts lá que têm a graça de arrancar o verniz da tua vida. Meus preferidos: ativismo de verdade em Direto do front, filosofia de vida no Kaialash em Na Montanha Sagrada e  uma inusitada partida de futebol com chollas na Bolívia em Que Bonito É.

E já que você vai lá, aproveite e confira uma entrevista muito bacana com Thomas Kohnstamm, outro gonzo consagrado que conta como é a vida (pessoal e profissional) de um escritor de guias de viagem. Coisa rápida, mas vai desconstruir a imagem mental que muita gente criou da profissão…

Share

Documentos para mochilar no exterior

Mochilar no exterior é sempre uma aventura e tanto, mesmo para viajantes experientes. E como viajar com segurança é sempre fundamental, de saída o primeiro item do seu check list deve ser a verificação dos seus documentos.

Antes de tudo, providencie seu passaporte. O procedimento é trabalhoso, mas bastante simples. Basta obter a documentação exigida pela Polícia Federal, solicitar a emissão via internet (aqui), pagar a guia emitida também via internet (algo em torno de R$130 em 2011)  junto com a solicitação de emissão, agendar sua visita ao posto de atendimento mais próximo e aguardar o prazo de emissão, que varia muito de Estado para Estado e conforme a época do ano (férias, feriados etc.).

Nos países do MERCOSUL não é necessário passaporte, mas se você tiver o seu poderá carimbar nos postos de controle e trazer um belo souvenir para casa. Além disso, com um passaporte válido em mãos, não haverá qualquer dúvida acerca da sua identidade e o agente público dificilmente poderá criar algum problema. Caso não consiga emitir o documento a tempo ou preferir arriscar, consulte a relação de documentos exigidos nesses países aqui.

Caso vá dirigindo ou pretenda alugar um carro no exterior, é necessário obter uma PID – Permissão Internacional para Dirigir e adquirir um Seguro Carta Verde. Todas as informações para emitir esse documentos estão no post Roadtrip no Exterior .

Outro dado importante é que se você cruzar a fronteira com um veículo, tem que portar o respectivo documento de propriedade. Se você não for o proprietário, vai precisar de uma autorização dele permitindo que você o dirija no exterior. E se o possante estiver alienado, você terá que ligar para a financeira e solicitar uma autorização para que ele circule no exterior (nesse caso, boa sorte!). Nos dois últimos casos,o documento deve ser chancelado pela embaixada/consulado do país que você vai visitar, o que demanda certa antecedência.

Quanto ao veículo em si, pesquise sobre o país para onde vai: na Argentina o carro tem que carregar dois (?!)  triângulos de sinalização e cabo de aço com quatro metros de comprimento para reboque, no Chile não é permitido o uso de película (insul-film etc.) nos vidros dos carros e as autoridades apreendem os ilegais ou exigem que você tire o filme na unha e por aí vai. Também nunca é demais contactar a sua seguradora e perguntar por uma “extensão de percurso”, normalmente válida para a Argentina, Uruguai, Chile, Paraguai e Bolívia.

Hoje, uma grande quantidade de  países também exigem do turista o  Certificado Internacional de Vacinação. Orientações sobre a saúde dos viajantes e informações sobre a emissão do certificado você encontra no site específico da ANVISA. Locais que emitem a carteira estão relacionados aqui. Em Sampa, a opção clássica é o Centro de Referência Imunológica do Hospital das Clínicas, que fica na Rua Eneas de Carvalho, 155. Funciona no térreo entre 7h e 15h, apenas de segunda a sexta.  Você não vai pagar nada, a carteira valerá por  dez anos a partir de dez dias depois da vacina (prazo que leva para que a imunização tenha efeito). Note que alguns países exigem trinta dias de antecedência e não os dez de praxe. Informe-se e confira também o post cuidados com remédios ao viajar, que dentre outras dicas lista alguns remédios imprescindíveis para uma viagem tranquila ao exterior.

E por falar em validade, todo e qualquer documento que você precisar no exterior deve ter validade com data porterior ao seu RETORNO ao Brasil. Procure deixar os documentos no cofre do hotel onde está hospedado e circule apenas com cópias, com exceção dos documentos do veículo quando estiver dirigindo e do passaporte, que deve estar sempre com você. Guarde também uma cópia autenticada em local seguro e diferente de onde está o seu passaporte  (bolso, sacola, mala, moneybelt, sapato, cueca etc.). Pode ser útil na ida, na volta, em trânsito, num consulado ou quando você for sequestrado pelas FARC. Bem, nesse caso nem tanto…

Finalmente, se for para o MERCOSUL, vale baixar a Cartilha do Cidadão disponível no site brasileiro oficial do tratado. Lá você encontra  informações oficiais,  interessantes e atualizadas.

Boa viagem!

Share

Roadtrip no exterior: CNH ou PID? E Carta Verde?

Perguntinha clássica. Curto e grosso: a resposta é PID.  Explico.

PID significa Permissão Internacional para Dirigir, que é um documento emitido pelo DETRANs do seu Estado, escrito em língua portuguesa e nas línguas determinadas na Convenção de Viena, que é a grosso modo um acordo internacional que permite a aos países que a ele aderiram emitir esse documento padronizado que permite ao portador dirigir em qualquer um desses países, desde que apresente também sua CNH original.

Segundo o DENATRAN, para obter a permissão o condutor deverá possuir uma Carteira Nacional de Habilitação (CNH) válida (a PID é emitida com a mesma validade, categoria e restrições médicas do documento nacional) e apresentar os documentos exigidos pelo DETRAN do seu Estado. Aproveite e solicite a sua quando for renovar a CNH.

Você vai ler por aí que não é necessário tirar a PID, que os países do MERCOSUL aceitam numa boa a CNH brasileira, que países com fiscalização rodoviária rígida como os EUA e a França não costumam criar problemas com o documento, que nenhuma locadora de carro exige a carteira internacional e outras tantas listas de países que aceitam a CNH nacional formalmente, que toleram seu uso ou que não reconhecem o documento. Esqueça tudo isso.

O que você deve saber é a lista dos países que aceitam a PID (aqui)  e se for viajar para qualquer deles tire o documento e viaje tranquilo. Quem porta a CNH e a PID passa muito mais rápido por bloqueios em estradas, aluga carros com muito mais facilidade, se identifica muito rapidamente em países que a aceitam como identidade civil e corre bem menos risco de ser ludibriado por policiais ou agentes de trânsito corruptos no estrangeiro. O motivo é um só: quem lê o documento localiza mais rapidamente as informações e fica sabendo que você é um viajante preparado e experiente.

O documento não é caro e garante a sua tranquilidade quando um agente público te parar numa estrada qualquer mundão afora. Deixa a PID de lado é um gasto em grana que pode te economizar tempo e preocupações.

Outra coisa é a famigerada Carta Verde, esta sim, legalmente obrigatória para todos os países integrantes do MERCOSUL

É um seguro obrigatório para automóveis matriculados no país de origem em viagem internacional no âmbito do Mercosul (Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai). A apólice, em caso de acidente, cobre danos pessoais e materiais causados a terceiros não transportados pelo veículo segurado, tais comomorte, invalidez permanente, despesas médico-hospitalares etc. Todas as seguradoras brasileiras estão habilitadas a emitir a Carta Verde,  porém o desconhecimento é generalizado e não raro você se depara com um atendente que nem sabe o que é. Procure sua seguradora e na falta dela dê uma googlada básica. O documento vale pelo tempo que você contratar e não é dos mais caros.

O pessoal da Região Sul gosta de solicitar o documento numa seguradora localizada em  São Borja (cidade da fronteira com a Argentina) chamada Proteges que – dizem – tem o melhor preço do país. Há diversas outras opções nas grandes cidades de fronteira como Foz do Iguaçú e Uruguaiana, por exemplo.

Veja também os posts sobre documentos pessoais necessários para viajar para o exterior  e quais remédios levar  num mochilão e boa viagem!

Share